9 de ago de 2012

ARTE & SUAS CURIOSIDADES - SCHERENSCHNITT



Em alemão significa “corte com tesoura”, também chamada de a arte da Silueta,  (Papercutting  em inglês, em francês, Papier Découpé, Jianahi em chinês, Picado em espanhol, Wycinanki em polonês) consiste em uma arte milenar provavelmente originária da China, pois nos séc. XII a XIII  os chineses já se utilizavam dos recortes em papel  como moldes tipo estêncil para posterior pintura em porcelana, que muito se assemelhavam ao “Scherenschnitt “ que hoje conhecemos.



Da China vem o teatro de sombras, anterior aos séculos mencionados acima, considerado uma espécie de antecedente desta arte. Obedecendo a uma tradição milenar, os chineses acreditam ser de bom agouro, na época de seu ano novo (festa da primavera) pendurar em suas janelas, portas e espelhos, belíssimas “Scherenschnitte” retratando símbolos de boa sorte e abundância. Também presenteavam uns aos outros com esta delicada arte em papel muitas vezes retratando singelas borboletas ( estas especialmente apreciadas na Dinastia Song séc.XII) As  mulheres da dinastia Tang ( 618-907) trançavam belos e delicados “Scherenschnitte” em seus cabelos.

                                                    Amuletos de boa sorte- China

                            
                   Modelo de " Scherenschnitt" usado como adorno em penteados

                                        
                                                Hina Ayoma papercut- Butterfly


Na tradição judaica, os contratos matrimoniais, Ketubá ou Ketubah, tradicionalmente escritos em aramaico tem sido parte integrante dos casamentos por aproximadamente dois milênios. Alguns destes contratos além de manuscritos de forma artística, se utilizando de belas caligrafias eram muitas vezes embelezados por ricas pinturas ou ainda primorosamente adornados com a arte do “Scherenschnitt”

 Ketubah ilustrando as doze tribos de Israel lado externo e na parte oval imagens dos sete dias de criação

           
                                                          Ketubah Israel

Na Europa esta arte chegou provavelmente trazida para os Bálcãs pelos Persas chegando até a Europa Central no início do século XVII. Em plena Contra Reforma esta arte torna-se uma atividade privilegiada pelas Damas da Corte e também por Freiras da Suíça, Alemanha e Áustria, estas últimas recortavam figuras bíblicas e religiosas, chamados de “Spitzenbilder”.

                            
                                                                      Spitzenbild



                                                    "Scherenschnitt" devocional


A arte do “Schattenriss”  ou “Silhouette”ficou bem conhecida a partir de 1759, através de  Étienne de Silhouette, ministro de finanças do Rei Luis XV. Em conseqüência da guerra dos 7 anos e  visando  adotar  medidas de contenção de despesas, o mesmo introduziu esta arte para poder economizar tintas , cores e telas, passando a mesma a  ser chamada  de “ Silhouette portraits”, em homenagem ao mesmo.


  Étienne de Silhouette



Na Alemanha um grande adepto da arte da “Silhouette” foi  ninguém menos que o escritor e pensador , Johann Wolfgang von Goethe, ele mesmo adepto e conhecedor das técnicas desta arte, retratava parentes e amigos , também mencionando a  “Silhouette” em seus poemas.

                                                              "Silhouette" Goethe

                  
                                                                Modelo de "Silhouette"



                                           Recortando a "Silhouette- Karl Johnson


Para  o escritor e poeta  dinamarquês Hans Christian Andersen o papel não existia apenas para receber a palavra escrita, representou a base para sua expressão imaginativa, então registrou nos papéis que passaram por suas mãos, além de palavras , desenhos e cortes na arte do “Scherenschnitt”,  deixando por volta de 1500 exemplares , a maioria preservada por Henry Dickens (1849-1933) filho de Charles Dickens. Dizia aos mais próximos de que, como a antiga expressão que profere estarem a  forma e arte escondidas na pedra, só sendo  revelados pelo escultor, o poeta  nele usou seu material - o papel - para gravar, ou melhor, esculpir suas idéias
                  
                              "Silhouette" de Hans Christian Andersen
     
                               "Silhouette" de Hans Christian Andersen

                             Scherenschnitt Hans Christian Andersen

Ainda no século XVIII podemos destacar um grande artista suíço, autodidata, famoso não somente como pintor, mais também por ser exímio na arte do “Scherenschnitt”, seu nome,  Jean Huber Voltaire. Nascido em Genebra, se tornou amigo de Voltaire na ocasião que este foi morar as margens do lago de Genebra. Ficou conhecido como Huber-Voltaire por sua amizade de quase 20 anos com o filósofo, o qual retratou por diversas vezes. Popularizou a arte da “Silhoutte” em Genebra e no restante da Suíça. Seu talento lhe permitiu criar cenas de caça, combate,  lindas paisagens  e cenas figurativas. Conheceu Goethe em 1779, e o mesmo diria dela mais tarde:  “Jean Huber é um Homem, cujo espírito, imaginação e poder de observação não lhe cabem no corpo, transcendendo-o. “
                              Jean Huber - Auto - retrato com Voltaire

                                          Pastel sobre papel - 1770

                 Auto - retrato em "Silhouette" de Jean Huber Voltaire


Já no séc. XIX, o “Scherenschitt” ou “Silhouette”, assim como a Pintura e saber tocar um Instrumento, principalmente o Piano, eram considerados de bom tom. Nas famílias da sociedade se mantinha o hábito de exercer esta arte ao anoitecer, como um passatempo, as famílias se reunindo em torno de alguém tocando música, cantando ou contando histórias.
Human Origin- Papercut

                                                          
                                                      Mother and Child Silhouette
Entre 1890 e 1910, com o aparecimento do “ Jugendstil” mais conhecida como “Art Noveau”, A “Silhouette” torna-se uma expressão artística independente na escola de Artes decorativas em Viena.


                                            Art Noveau Scherenschnitt Model



                                                      Art Nouveau Scherenschnitt
Das cidades, a arte do “Scherenschnitt” começa então a rumar para o campo se tornando mais e mais popular entre as classes menos abastadas. Na Suiça esta migração da arte do “Scherenschnitt”  para  o campo  se deu de forma gradativa começando por um movimento de alguns professores que cultivavam o hábito de presentear seus  melhores alunos com um tipo de quadros com dedicatórias ,Errinerungs - und Widmungsbilder , uma combinação de bela caligrafia, pintura e “Scherenschnitt” , chamando atenção para esta arte.

Os pais da arte do “Scherenschnitt na Suíça são sem dúvida os artistas Johann Jakob Hauswirth (1809-1871) et Louis – David Saugy (1871-1953). Com seus trabalhos estes artistas retrataram a vida alpina, dos camponeses, das tradições e costumes suíços com riqueza de detalhes, tendoaté hoje, fieis e talentosos discipulos mantendo viva a tradição do "Scherenschnitt" Suíço.


                                                 Alpaufzug Jakob Hauswirth

                                       Collage und Scherenschnitt Jakob Hauswirth



                              Scherenschnitt Louis – David Saugy


                                              Scherenschnitt  Schweizer Trachten

Hoje as técnicas antigas desta arte sofrem releituras, dentre elas podemos citar as do artista espanhol Lorenzo Duran, preocupado não somente em manter a tradição do “Picado” de seus antepassados, como em chamar a atenção para o problema do meio ambiente com sua arte. Sempre fiel a frase que norteia sua vida “La naturaleza en el arte y el arte en la naturaleza"


                                     Hoja "Ciervos", técnica Picado - Lorenzo Duran

                         
                                     Hoja  "Hada", técnica Picado- Lorenzo Duran


                              Hoja "Àrbol" técnica Picado - Lorenzo Duran







O pintor, ilustrador e escultor francês, Henri Matisse (1869– 1954), começou a utilizar o “Scherenschnitt” introduzindo-o, primeiro em forma de estêncil em suas obras, apelidando a mesma de “pintura com tesouras”. Diria Matisse, que este tipo de arte, diferente da pintura, era definitivo, um corte errado não poderia ser revertido exigindo do artista noção e padrões de conhecimento estéticos apurados. Poucos anos antes de sua morte, Matisse encontra a expressão de forma perfeita para sua arte, a busca pela forma com a tesoura em uma folha de papel de cor. Podemos observar estes recortes em sua série “NU BLEU”, de 1952, consistindo de recortes em Gouache, que funcionam através da interação de personagens azuis, abstratos sobre um fundo branco.

    

                                                     Nu Bleu I, II, III - Henri Matisse


A ferramenta que dá nome a esta belíssima arte não é simplesmente um par de tesouras. Assim como o pintor usa pincéis diversos e o escultor não apenas emprega martelo e cinzel para dar vida a suas obras, o artista do “Scherenschnitt” tem a sua disposição, canivetes, faquinhas cirúrgicas e tesourinhas de bordado diversas, além claro de papel e papel vegetal.

  Preparação em papel Vegetal para Scherenschnitt-Esther Gerber, Suiça


                                   
                                     Hina Ayoma papercutting

                             
O termo “Scherenschnitt “ ainda hoje nos remete à manutenção de tradições culturais e arte suprema. Os “Scherenschneider”, artistas do “Scherenschnitt, são sem dúvida uma elite a ser respeitada e valorizada no meio artístico. Dando vazão a uma imaginação lúdica, trabalhando com a diversidade de formas, com o positivo e o negativo, luz e sombra.


                                         Scherenschnitt - Suíça

Espero ter lhes aberto uma pequena portinha de entrada para este mundo tão rico desta arte milenar e que soube de alguma forma alêm de manter suas raízes, se reinventar.
Grande beijo a todos e um bom finalzinho de semana.








7 comentários:

  1. Ashkenazimagosto 10, 2012

    Parabéns pelo post, ele é fantástico !!! Adorei conhecer mais sobre essa arte fantástica que é a "Scherenschnitt" !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delia Corecco Steineragosto 11, 2012

      Obrigada querida, pesquisei bastante e acho que o resumo ficou legal, creio ser importante sabermos um pouco mais sobre esta e outras artes. Bjs

      Excluir
  2. Belísimo trabalho...
    A arte relamente transcende os séculos...
    Uma história riquíssima que vale a pena ser conferida de perto!
    Adorei, ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delia Corecco Steineragosto 12, 2012

      Obrigada Aminah,
      adoro Scherenschnitte, apesar de não dominar a técnica, só cheguei a fazer as lanternas vazadas para meus filhos na época em que estudaram no colêgio Waldorf, ou seja durante toda infância a cada festa da menina da lanterna e de novo a cada primeiro de Agosto, comemorando o dia nacional da Suiça,rsrsrsrs...

      Excluir
  3. Fantástico e muito interessante, Delia! Parabéns!!! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delia Corecco Steineragosto 15, 2012

      Merci vielmal Mueti, es fröit mi immer wenn de echli inneluegisch, gäll! Immer aues Gueti!!

      Excluir
  4. Amei as informações, Delia!

    ResponderExcluir

Blogger Wordpress Gadgets