25 de jan de 2013

A ARTE PROIBÍDA.

                                                                            


Alexander Volkov (1886 - 1957)
 Oil on canvas.
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


Recentemente estive assistindo a um documentário sobre a vida de Igor Stavítsky. Muito me impressionou sua coragem e determinação em resgatar obras de arte por toda a Rússia na época em que o comunismo consumia aquela região do mundo proibindo qualquer manifestação artística que não enaltecesse as “benesses” deste regime totalitário.
Gostaria de dividir com vocês um pouco do que pude pesquisar, uma vez que fiquei encantada com as obras que pude ver. Espero que gostem e divulguem.


Museu Igor Savítsky, Uzbequistão.

Nukus-Savitsky-Museum-Plaque.

O Museu de Arte Nukus, ou nomeado de Museu Igor Savitsky em homenagem a seu fundador, é um museu de arte que possui sua sede em Nukus capital da República Autônoma de Karakalpakstan no noroeste do Uzbequistão, na base sul do Mar do Aral. Inaugurado em 1966, o museu abriga uma coleção de mais de 82 mil itens, que vão desde antiguidades a arte popular do Uzbequistão denominada, Khorezm Karakalpak. É a segunda maior coleção de arte russa no mundo, ficando logo atrás da coleção do Museu de São Petersburgo. O museu representa o trabalho de toda uma vida de Igor Savítsky, cujo legado inclui milhares de tesouros artísticos e culturais em exposição permanente, o que o torna um dos edifícios mais interessantes da arte antiga e moderna. Hoje chamada, por conhecedores, colecionadores e apreciadores de arte como “A pérola do deserto” - ou, como a revista francesa Télérama recentemente o chamou: “Le Louvre des Steppes”.
Fisherwomen de Rostislav Barto (1902 – 1974)
Oil on Cardboard, 1930
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


 Como a arte sobrevive numa época de opressão? Durante o regime soviético os artistas que se mantiveram fiéis a seu modo de pensar foram executados, mandados para sanatórios ou "gulags" campos de concentração soviéticos.


On his Knees de Lev Galperin (1886 - 1938)
Tempera on paper
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


O artista auto didata Lev Galperin (1886 – 1938), judeu russo, cuja obra podem apreciar acima, foi indiciado pelo Regime Comunista, pela forma como ele descreveu os seus líderes. Suas pinturas eram consideradas como contra-revolucionárias. Em seu depoimento, Galperin negou a presença da arte como expressão de Liberdade na União Soviética e se dizia cético sobre o sistema estabelecido. Ele cumpriu parte de sua pena em Karlag, em seguida, foi transferido para Dmitlag na região de Moscou. Seu certificado de óbito diz: "Causa da morte: execução por fuzilamento”.


 Igor Savitsky

A situação destes artistas e sentindo o próprio senso da alienação imposta ao tempo, sociedade e lugar em que ele vivia  inspirou o jovem Igor Savitsky. Russo nascido em Kiev em 1915, arqueólogo, artista e colecionador, filho de  acadêmicos e neto de um aristocrata, ele foi criado em meio as histórias de horror da revolução bolchevique. Seu avô foi sumariamente executado em 1919. Sua casa, como a de todos os "inimigos da revolução" queimada com móveis, pinturas e livros... De uma forma nada convencional, Igor Savitsky, viria a ser o fundador do NUKUS MUSEUM OF ART, no Usbequistão.

Igor Savitsky.

Interior do museu Igor Savitsky.

                                          Interior do museu Igor Savitsky.
Fingiu comprar arte aprovada pelo Estado, mas resgatou ousadamente 40 mil obras proibidas e criou um museu no deserto do Uzbequistão, longe dos olhos atentos da KGB. Embora fosse um artista pobre, de forma inteligente obteve o dinheiro para comprar essa arte das mesmas autoridades que a proibiam. Savitsky reuniu uma mistura eclética extraordinária de arte russa de vanguarda. Entretanto, sua maior descoberta foi uma escola desconhecida de artistas que se estabeleceram no Uzbequistão depois da Revolução Russa de 1917, representando uma cultura islâmica única e exótica  Eles desenvolveram um estilo surpreendentemente original, fundindo o modernismo europeu com tradições orientais seculares.
 

Artists Alexander Volkov and Ural Tansykbaev, 1920.
              Group photo of the artists represented in the Savitsky Collection
                                  Tashkent, Uzbekistan 1930.
(Alexander Volkov at top, Nikolay Karakhan to his right, bottom right Ural Tansykbaev).

                               Coffee House de  Grigoriev Nikolay (1880 - 1943) 
                                                Oil on canvas
                     Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


Weaving women  de Darya Kazakh
Oil on canvas
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


Reading the Newspaper (1938) de Nikolay Karakhan
Oil on canvas
 Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


Na década de 90, quando jornalistas e diplomatas ocidentais descobriram o museu, pareceu o início de um conto de fadas do mundo das artes. Expostas em molduras simples estavam obras do mais alto nível, referentes a toda a variedade de estilos do início do século XX. A coleção de Savitsky prometia preencher um capítulo que faltava na história da arte, com a produção de artistas soviéticos em grande parte esquecidos, que estavam explorando novos rumos antes do início dos anos 30, quando o regime de Stalin condenou a "decadente arte burguesa" em favor de imagens idealizadas de operários e camponeses, o novo realismo socialista, assim infelizmente fazendo uso da arte como instrumento de adestramento e dominação do homem ou - pior ainda - de um povo inteiro.
                               Stalin et Vorochilov au Kremlim, 1938 Realismo Socialista,
                                  de Aleksandr Guerassimov.



Cartaz típico realismo socialista “o que a Revolução de Outubro deu as camponesas”.
 
                                                    Cartaz típico realismo socialista “Stalinismo”.
 Acima: manifestações artísticas consideradas  em sintonia com o realismo socialista - com imagens idealizadas de operários, camponeses e líderes soviéticos.
A arte produzida na Rússia durante o primeiro trimestre deste século teve uma profunda influência sobre tudo o que hoje conhecemos como moderno. Uma constelação brilhante de artistas talentosos surgiu num momento em que muitos russos acreditavam que eles estavam à beira de uma nova época, em que o espírito humano seria verdadeiramente liberado pela primeira vez. Procurando transmitir sua excitação, eles produziram um corpo de trabalho cuja originalidade foi tão extraordinária que o sistema soviético provou ser incapaz de tolerá-lo. Em uma das grandes tragédias da história da arte, a vanguarda russa foi esmagada em 1930. Hoje em Nukus, no entanto, eles não somente sobrevivem, mas triunfam. Vejam alguns exemplos a seguir:


                                              Street in old Khiva de  Igor Savítsky
                                                    Oil on canvas
                   Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                 Women going to BathHouse  de  Ruvim Mazel (1890 - 1967)
                                  Paper,  gouache  and water color
                      Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                               Portrait of a Woman de Vasiliy Millioti (1875 - 1943)
                                              Oil on canvas
                   Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan

                                              Portrait of Sardan 1928 by Vera (Runa) Pshesetskaya
oil on canvas
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan



Building a Road (1932) de Nikolay Karakhan
Oil on canvas
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


Só os especialistas sabem os nomes dos pintores expostos no museu Igor Savitsky. Não, o museu não expõe Kandinsky’s, Chagall’s e Malevich’s, mas sim, fala de artistas que não puderam, ou não, fugiram do terror stalinista que se abateu sobre a URSS. Eles pagaram com a sua liberdade ou com a vida, e às vezes com ambos. Seus expoentes foram silenciados, presos, deportados para Gulags, exilados, enlouquecidos ou assassinados. Suas biografias são breves. Data e local de nascimento, os estudos em Moscou, Kiev, por vezes, casamento, filhos, um trabalho e, de repente o vazio! Nada. Desaparecimento sem deixar rasto. Parado, o artista desapareceu, como se nunca tivesse existido. Tomados em conjunto, todas estas vidas quebradas cujas pinturas mostram dizer muito mais do que a história da arte. Não há palavras para coincidir com a emoção que se sente ao observar estas obras de arte reunidas neste museu que é de fato, muito mais que um museu: É um memorial da vida.
                                       A Horseman in Red, Autumn (1961) de Arkadiy Stavrovskiy
Oil on canvas
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                                         Alcoholic (1928), de Arkadiy  Stavrovskiy    
Oil on canvas
  Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan

                                                   CrimsonAutumn 1931 de  Ural Tansykbayev
Oil on canvas
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                                           Apocolypse  de Alexey Rybnikov
Oil on canvas
 Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                                  Ubayda (1926)  de Vasiliy Rozhdestvenskiy
 Oil on canvas
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                                     Kuzminki (1911) de Aleksey Morgunov
 Oil on canvas
 Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                              Coloured Sails (1930) de Vladimir Timirev
 watercolor on paper and pencil drawing
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan


                                                        The Bull de Vladimir Lysenko 
                                                 Oil on canvas 
Savistky Art Museum, Nukus, Karakalpakstan, Uzbekistan

Perto de sua morte e já bem debilitado por sua doença, na década de oitenta, Savitsky entregou o controle do Museu a Marinika Babanazarova, filha do cientista Karakalpak M.Nurmuhamedova (amigo de Savitsky), uma mulher notável que agiu como custodiante para o museu, sua cultura e visão de Savitsky desde então. Hoje é diretora do museu e junto com sua equipe de especialistas e restauradores dedicados ela tem cuidado e defendido esta coleção única de Savitsky por 28 anos.

Marinika Babanazorova, diretora e curadora do Savítsky Art Museum.


Igor V. Savitsky

Sugiro ainda que procurem assistir ao documentário “O Deserto da Arte Proibida” (The Desert of Forbidden Art) de Amanda Pope e Tchavdar Georgiev, que conta a história de Igor V. Savitsky, colecionador obsessivo ao qual é atribuído o mérito de ter salvo dezenas de milhares de obras de arte anteriormente nas mãos das autoridades soviéticas.



An  Artists prophecy:
"In my dream I saw a creature, his eyes like the barrels of a gun. I called the painting 'Fascism Is Advancing', Yevgeny Lysenko".
 A profecia de um artista:
"No meu sonho vislumbrei uma criatura, seus olhos como o cano de uma arma. Dei o nome a pintura de “Avança o Fascismo”, Yevgeny Lysenko".


 Lysenko é apenas um dos muitos artistas a emergir neste documentário como anônimos - e, por vezes, presos ou institucionalizados - heróis da era stalinista, artistas que contrariaram as restrições do realismo social para fazer obras de arte que eram abstratas, anti-fascistas ou de outra forma considerados "degenerados". Fizeram o que deve fazer o artista, fizeram simplesmente Arte.

 
Para mais informações sobre o museu, sua história e obras que abriga:
Para informações sobre o que o governo do Uzbequistão pretende fazer com o museu e o perigo que suas obras correm novamente:













4 comentários:

  1. DELIA, QUE INTERESSANTE ESTA SUA POSTÁGEM! A HISTÓRIA E AS PINTURAS LINDAS QUE POUCAS PESSOAS CONHECEM! PARABÉNS MINHA FILHA, VC.É 'DEMAIS' !!!

    ResponderExcluir
  2. Nunca antes tinha me deparado com algo tão maravilhoso, as obras são belíssimas e ricas em sentimentalismo...
    Só poderia ser obra de uma talentosa escritora como você...Te amo mais que tudo!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Delia Corecco Steinerfevereiro 09, 2013

    Obrigada a vocês,que iluminam nosso Blog com sua presença! Bjs

    ResponderExcluir
  4. I has wider agluegt u findes eifach wunderschoen u vor auem intressant! Mach e so witer u gib nie uf! Te amo

    ResponderExcluir

Blogger Wordpress Gadgets