27 de mai de 2014

CURIOSIDADES SOBRE O DAVID DE MICHELÂNGELO.

David - Michelangelo - original - 1501 -1504.
Galleria dell'Accademia, Firenze.
 
"A elegância dessa figura e a serenidade de sua pose nunca foram superadas, nem os pés, nem as mãos e a cabeça, cujas proporções e beleza harmoniosa estão em sintonia com o resto da obra. Certamente, qualquer pessoa que tenha visto o David de Michelangelo não tem necessidade de ver mais nada esculpido por qualquer outro escultor, vivo ou morto." - Giorgio Vasari.

 
 
Detalhe David - Michelangelo
 
 
Detalhe - David - Michelangelo
 
 
Michelangelo - David - detalhe
 
 

A escultura de David de Michelangelo é conhecida como o "Gigante de Florença" e tornou-se um dos símbolos desta cidade italiana.
 

"O Gigante de Florença" - David de Michelangelo.
 
Antes de Michelangelo receber a encomenda dessa obra, o bloco de mármore de Carrara ficou exposto ao tempo por 25 anos no pátio da catedral de Santa Maria Del Fiori, sendo danificado a ponto de diminuir de tamanho. Outros escultores já haviam recebido a incumbência da obra, mas, por razões diversas, eles não se interessaram em realiza-la. Entre eles os grandes escultores Duccio e Roselino.

 
Blocos de mármore de Carrara a serem esculpidos e escultura contemporânea.
 
Cúpula da Catedral Santa Maria Del Fiori
 
Agostini di Duccio – Virgin and Child  - 1450.
 
 
Virgin and Child - Antonio Rosselino - 1465.
 
 

Em 1501, a comissão de obras e o novo governo florentino decidiram que este grandioso bloco de mármore deveria ser transformado numa imagem a ser colocada em frente ao Palácio Vecchio e Michelangelo aceitou o desafio.
Ele enxergou nesta pedra rejeitada um gigante adormecido, e costumava dizer que em seu ofício de escultor o que fazia, era libertar a escultura que se encontrava aprisionada pelo mármore. Este grandioso e fascinante bloco de mármore acabou se tornando um dos marcos na vida de Michelangelo, pois ao se apropriar dele, libertou do excesso de mármore o colossal David.
 
Michelangelo's David.
 
David, o humilde pastor de ovelhas do antigo testamento da Bíblia, que matou o gigante Golias utilizando-se de sua inteligência, de coragem e de uma funda (uma espécie de estilingue usado na época), e que quase sempre foi retratado no mundo da arte, visto logo após a batalha contra Golias, como o demonstram as esculturas de Donatello, de Verrochio ¹, e de Antonin Mercié, assim como as pinturas de Caravaggio, Vermiglio e Tiziano Vecellio. 
Detail David - Andrea del Verrochio - Bronze.
 
 
Andrea Del Verrochio -  David – Bronze – Museu Pushkin – Réplica.
 
 
Donatello, David, c. 1409.
 
Mercié, original David, Musée d’Orsay, Paris; clothed version.
 
 
David and Goliath by Caravaggio - 1600.
 
Giuseppe Vermiglio - David holding Goliaths Head c. 1621.
 
 
Tiziano Vecellio – David and Goliath - Oil on canvas - C16th.
 
 
Porém, Michelangelo não o representaria como um simples pastor de ovelhas que era, mas como um guerreiro preparado para enfrentar um adversário que todos julgavam impossível vencer.
Michelangelo queria maravilhar o povo de Florença, com a majestade de seu David, o pastor valente que se tornou rei. O escultor planejava usar toda a altura do bloco para fazer seu David três vezes o tamanho natural. David se encontraria contraposto, com todo seu peso na perna direita, no momento imediatamente antes de toda sua vida mudar.
 
                                             Michelangelo's David.
 
Sua cabeça e mãos seriam grandes, como as Michelangelo. Para o rosto de David, Michelangelo usou como modelo um esboço que ele havia feito de um estranho na rua. Modelou as mãos de David após as suas, mãos boas capazes de realizar trabalhos surpreendentes.
 
Portrait de Michelangelo, de 1564, executado por Daniele da Volterra a partir de sua máscara mortuária.
 
Michelangelo's david - detail.
 
 
                                  Michelangelo's David - detail.

As pessoas na época estranharam o fato do David de Michelangelo ser retratado nu, diferente da maioria das esculturas e pinturas de outros artistas que sempre representavam David usando roupas. Entretanto, Michelangelo, em seu trabalho usou o realismo do corpo nu e o predomínio das linhas curvas para dar vida ao seu David.

                                   Michelangelo's David - detail.

Michalangelo's David - detail.
 
Michelangelo's David.
 
  
"Você com sua funda e eu com o meu cinzel", Michelangelo rabiscou em um de seus estudos de David, como se os dois se fundissem em um só, e ao olhar para David, Michelangelo gostou do que viu. Ele estava quase pronto para compartilhar seu David com o mundo.


 Estudo para David  - Michelangelo.
 
Estudo para David - Michelangelo.
 
Esculpindo com Cinzel.
 
E assim vemos o gigantesco David de Michelangelo, forte, decidido, e disposto a lutar. Ele tem 4,10 metros de altura e segura na mão esquerda a funda que pende sobre o ombro e as costas e demonstra força e coragem num olhar determinado.
 
David – Michelangelo - David segura a funda com sua mão esquerda.
 
                                 David - Michelangelo - Olhar.


O David foi finalmente exposto para a curiosa população Fiorentina no dia 24 de Junho de 1503, dia de San Giovanni, o padroeiro da cidade. Inicialmente a magnífica escultura foi colocada na Piazza della Signoria, em frente ao Palazzo Vecchio, porque ela representaria segundo Michelangelo o símbolo das duas principais virtudes cívicas do renascimento florentino: a coragem e a fortaleza. Lá permaneceu até 1873 – quando foi transferida para a Galleria dell’Accademia, onde pode ser admirada até hoje.
 


Giuseppe Zocchi - Piazza della Signoria
 
Por séculos, artistas ocidentais tem resgatado a escultura David como a beleza perfeita do homem. Uma inspeção mais apurada revelou que a estátua tem estrabismo nos olhos². Essa pequena imperfeição só foi descoberta recentemente, talvez porque a maioria dos observadores se distraiu com a grandeza da obra em si, talvez porque a perfeição seja isto, pequenas junções de imperfeitos tornando esta obra arte suprema entre as artes.
 
 
Detail face - David - Michelangelo.


Segundo teorias no mundo da arte e científico, Michelangelo esculpiu David com olhos estrábicos para que seu olhar acompanhe quem o visualizasse. A intenção do artista seria o de criar um rosto belo em todas as possíveis perspectivas do olhar. Seria exatamente esta uma das características mais importantes da obra.
 
 
Detail eyes - David  - Michelangelo
 
Detail eyes - David  - Michelangelo
 
 
“O mármore ainda não esculpido pode reter a forma de cada pensamento que os maiores artistas possuem.” - Michelangelo.


 
Detail Michelangelo's David.
 
¹ Curiosidade sobre escultura de David de Verrochio – no meio artístico existe a aceitação universal de que a estátua de Bronze retratando David, feita por Verrochio, foi feita a partir do semblante de  ninguém menos que o menino Leonardo da Vinci aos 14 anos ao posar para o mestre como modelo vivo.
² É o que diz o professor Marc Levoy, da Universidade de Stanford (USA) em artigo da revista britânica New Scientist.  Levoy, para chegar à conclusão apresentada, passou um ano fazendo pesquisas. Utilizou raios lazer para reproduzir a famosa estátua do séc. XVI, que atualmente se encontra na Academia de Florença, na Itália.
 
Michelangelo's David - detail.
 
 



 
 
 


 
 
 
 

 

 
 
 

65.000 VISUALIZAÇÕES




“Não é aquilo que você olha que importa, é aquilo que você vê” – Henry David Thoureau
“It's not what you look at that matters, it's what you see.” — Henry David Thoreau
“Es ist nicht das, was man sieht, was zählt, ist das was man erkennt.” - Henry David Thoreau

“Non è quello che si guarda che conta, è quello che si vede.” - Henry David Thoreau

“Ce n'est pas ce que vous regardez qui compte, c'est ce que vous voyez.” - Henry David Thoreau.

“No es lo que miras que importa, es lo que ves.” - Henry David Thoreau
 

17 de mai de 2014

64.000 VISUALIZAÇÕES.

Arte Gráfica, Vanessa Corecco Calado.
 

“A cor é a música dos olhos” - Goethe
“Color is the eye's music” - Goethe
"Il colore è la musica dell'occhio"  - Goethe
"Farbe ist die Musik des Auges"  - Goethe
"El color es la música de los ojos" -  Goethe
"la couleur est la musique de l'œil » -  Goethe




11 de mai de 2014

63.000 VISUALIZAÇÕES.



"A arte é a expressão do pensamento mais profundo de forma mais simples." - Albert Einstein

"El arte es la expresión de la idea más profunda de la forma más sencilla." - Albert Einstein

"Art is the expression of the deepest thought in the simplest way." - Albert Einstein

"Kunst ist der Ausdruck des tiefsten Gedanken auf einfachste Weise." - Albert Einstein

“L'art est l'expression de la pensée la plus profonde de la manière la plus simple." - Albert Einstein

"L'arte é l'espressione del pensiero più profondo nel modo più semplice." - Albert Einstein
Arte gráfica -  Vanessa Corecco Calado.

A MATERNIDADE E A ARTE – CAMINHOS QUE SE ENTRELAÇAM.

Mother and Son - Robert Duncan.


                       “Não nascemos, mas nos tornamos mães...”
 
Motherhood - Artist Unknown.
 
 

A arte evidencia a maternidade desde os tempos Pré-históricos, as representações maternas  caminham pela Idade Antiga, adentram a Idade Média passando pela Idade Moderna até chegar a Arte Contemporânea.

 
Venus of Dolni Vestonice  - 29000 a 25000 B.C
 
 
Egito - 18ª Dinastia  - 1336 a 1295 - Mãe e filho.
 
 
 
A rare Archaic greek mother and child statuette.
6th- 5th century B.C
 
 
3 mothers Sacred Triplicities.
 
 

Imagem acima: O conceito de tríplice maternidade tem influência nas crenças antigas de celtas, teutônicas e romanas, pois as três mães representam saúde, fertilidade e proteção. Suas representações, como a estatueta que podemos observar acima eram adoradas em ambientes domésticos, todavia eram levadas pelos soldados aos campos de batalha como totens de proteção.
 
Mutter und Kind - Paul Peel.
 
 
 Woman and Child in a wooded Lanscape -
Theodore Robinson.
 
 
Mére aux deux enfants - Jean Pierre Augier.
 
 
Czech Republic - Olga Boznańska - Motherhood - 1902.
 
 
Maternal - Armando Barrios.
 
 
Mutter und Kind - Erhahrt Curt - 1920.
 
 
 
Margaret Mckintosh - Motherhood.
 

Inúmeros são os artistas que retratam ao longo da História da Arte a nossa trajetória, nossas lutas e conquistas diárias, nossas tristezas e alegrias, os choros e o som das risadas de nossos filhos. Nosso pesar e comoção se entrelaçam aos momentos felizes. Momentos de total ternura e de amor incondicional na entrega absoluta de nossas almas àqueles seres que amamos mais do que a nós mesmas, porque cada filho que nasce, faz nascer uma mãe. Independente da cor de nossa pele, do formato de nossos olhos, da textura de nossos cabelos, ser mãe nos isenta das diferenças nos igualando, reunindo-nos a todas em uma só palavra, mãe.
 
Vicente Manansala - Madonna and Child.
 
 
In the Meadow - Johanna Harmon.
 
 
Mother and Child by Nguyen Thanh Binh.
 
 
Alfredo Volpi - Vida.
 
 
Copt Mother and Child - Frederick Goodall – 1875 - Watercolour.
 

 
Jozef Israels Mother And Children By The Shore.
 
 
Marta Gottfried - Destiny.
 
 
Mother and Daughter  - Artist  Vimmie Manoj
 
 
Busy Mom - Chidi Okoye.
 
 

Mother and Child - Maxine Noel.
 
 
Edna Hibel  - Love.
 
 
Will Barnet - Mother and Child - 1993.
 
 

No decorrer das manifestações artísticas, os artistas têm usado o tema da maternidade para fins religiosos e culturais, sempre expressando os laços de amor e afeto indestrutíveis que existem entre mães e filhos. De deusas de toda humanidade passamos a ser divas, guerreiras, trabalhadoras, santas, proscritas, sábias, ignorantes. Somos simples e grandiosas, deploráveis e geniais. Quando sofremos por nossos filhos a dor nos desnuda, nos revira a alma e quando nos alegramos por eles nossa felicidade desconhece pudor e fronteiras.
 
 Mutter und Kind.
Friedrich August von Kaufbach.
 
Pompeu Batoni - Madonna and Child.
 
Jessie Willcox Smith - ilustration of The princess and the Goblin 1920.
 
 
The Sick Child - Edvaerd Munch - 1885 - 86.
 
                                  The Embrace - Judy Drew - 1951.


                            Slovakian Statue - Mother of na unborn Child - Martin Hudáčeka
 
 
 
                               The Mothers of 1919 - Käthe Kollwitz.
 
 
                         Amelia Bauerle - Mother holding Child in Arms.
 

Fomos delineadas por grandes artistas como Caravaggio, Da Vinci, Botticelli, e imortalizadas pelo olhar artístico de Renoir, Cézanne, Monet, Van Gogh, Gauguin, Camille Pissaro, esculpidas por ninguém menos que Michelangelo, Donatello, Bartolini, Rodin e Henry Moore, reveladas por Picasso, Macke, Chagall, Klimt, Paul Klee e Modigliani.
 
                                 Caravaggio (detail) - The Adoration - 1609.
 
                      Botticelli (detail) - Allegoria dela Primavera - 1478.
 
Leonardo da Vinci - Virgin of the Rocks - (1483 - 86).
 
Pierre Auguste Renoir - Mère est Enfant. 
 
 
                         Hortense Breast feeding - Paul Cezanne - 1872.


Claude Monet - Camille Monet with Child - 1875.


Vincent Van Gogh - Mother.
 
 
Tahitian Mother - Paul Gauguin.1901
 
 
        Peasant Woman and her child - Camille Pissaro - 1882 - Pontoise.


Pietá - Michelangelo - 1499.
 
                      Donatello - Terracota relief - Madonna and Child - 1500.


Lorenzo Bartolini - 1824 - La Caritá Educatrice.
 
                         Auguste Rodin - The Young Mother - 1885.


Henry Moore - 1943 - Madonna and Child.
 
                                 Picasso - The Mother leading two Children.1901.


August Macke - Mutter und Kind - 1911
 
 
Maternité  - Marc Chagall
                                                1954.
 
 
Gustav Klimt - Mother and Child.
Detail from Three ages of Woman - 1905.
 
Amedeo Modigliani - Gipsy Woman with
          Baby - 1919.
 
Mutter undd Kind - 1938 - Paul Klee
 
 
 
Maternidade que simboliza a vida, entre o desejo de criar e o receio de se tornar onipotente, a aventura complexa de sermos nós em outro ser, de estarmos imortalizadas nestas almas que sendo nossas não nos pertencem, pois somos apenas portos a ver os navios zarparem fazendo de conta que somos fortes enquanto assistimos inertes o mundo deles deixando de ser nosso, emprestando ao nosso olhar as gotas de chuva que um dia choraremos por nossos filhos temendo o vazio que suas partidas deixarão em nós. Legamos apenas a constância dos mares, a erudição dos livros, bússolas sem mapas, versos que lhes façam justiça e amor incondicional. Vão com eles nossas preces, nossos pensamentos e valores, pois um dia quando saciados a fome por caminhos a estrada da vida há de trazê-los de volta ao aconchego de nossos corações, de onde verdadeiramente nunca partiram.
 
Jean Pierre Augier - First Steps.
 
Mother and Child - Woodcut - Shuzo Ikeda.
1959.
 
 
Woman with Baby at her Lap - Vincent Van Gogh - 1883.
 
 
Mother and Child - pablo Picasso - 1902.
 
 
 
                 Mother and Child in a Sunlit Garden - Émile Claus - 1875.



John Henry Lorimer - Hush - 1905 - 1906.


A todas as mães que carregam na alma as alegrias e as cicatrizes da maternidade desejo hoje: um Feliz Dia das Mães. Ainda gostaria de dedicar este post a todos os artistas e em especial a minha mãe, que de alguma forma através de seus trabalhos perpetuam o ato de dar a luz, incentivando, vivenciando e silenciosamente imaginando o mundo, revelando-lhe a beleza etérea dos mágicos momentos enquanto comunidade de criadores.

 
Jessie Willcox Smith - Wondering.
                       1909.
 
 
Pablo Picasso - Maternity - 1905.
 
 
The Summer Cottage by Trent Gudmunsen - 1998.
Oil on linen.
 
 
 
 

 

 
 
 
 

 
Blogger Wordpress Gadgets